segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Aiko não foi "apenas um cão"...

Já escrevi tanto aqui, falei das dores e alegrias humanas, das coisas que vejo, daquilo que penso. Hoje, mesmo sem tanto ânimo, não pode ser diferente e preciso expressar minha tristeza por ter perdido meu companheiro querido no último dia 29. Imagino que será um post pouco interessante, que nem inspire comentários, mas asseguro que entre tantos os que escrevi será, sem dúvida, o que melhor reflete minha alma nesse instante.  

Começo falando sobre o que muitos devem considerar um exagero, afinal, era "apenas um cão"... Aiko, "apenas um cão", foi meu companheiro por quase 11 anos. Durante todo esse tempo, houve muitas e muitas vezes que meus momentos mais felizes foram proporcionados por ele. Foram tantas as horas em que minha única companhia era Aiko, "apenas um cão"... Alguém que nunca se importou se eu tinha dinheiro ou não, se era bonita ou feia, gorda ou magra, se estava de mal-humor, se tinha tempo ou não, se eu envelhecia, enfim, numa entrega absoluta e incondicional sempre esteve ali, completamente pra mim.

Nunca subestimei sua capacidade de me compreender. E nossa comunicação era tamanha, que acredito mesmo que fosse capaz de me entender melhor do que ninguém. Agitado, sempre fazia uma festa louca quando eu chegava. Diante disso, não havia tristeza ou aborrecimento que pudesse persistir por muito tempo. Mas em momentos graves, como na ocasião da morte de minha mãe, a festinha dava lugar a lambidinhas suaves e uma cabecinha gentilmente debruçada sobre o meu colo, respeitando minha dor e se solidarizando com ela, me dando conforto e motivos pra seguir em frente.  

Aiko, que era "apenas um cão", soube me transmitir a verdadeira essência do que significa amizade, confiança, respeito, paciência e compaixão, contribuindo imensamente pra que eu me tornasse uma pessoa um pouco melhor. Tentei retribuir o tanto que ele me ofereceu com tudo o que esteve ao meu alcance, mas, inevitavelmente, sempre fica a incômoda sensação de que poderia ter feito mais e melhor. No último sábado, antes da derradeira ida ao veterinário para colocar fim ao cansaço e dor que já haviam se estabelecido por conta do peso da idade, fiz uma das coisas que mais lhe davam prazer: o escovei cuidadosamente, perfumei, lhe dei muito carinho. E assim, Aiko, que era "apenas um cão", se despediu de mim, com um olhar agradecido e um sono sereno, mais uma vez me confortando por saber o quanto essa separação seria dolorosa.  

A única coisa que espero é que um dia as pessoas entendam que Aiko não foi "apenas um cão"... Foi meu companheiro, alguém que me tornou mais humana e que me ensinou a não ser "apenas uma pessoa". Se de tudo que passa pela vida da gente sempre fica um pouco, garanto que Aiko estará eternamente INTEIRO na minha memória e no meu coração. Vá em paz, companheirão!... Vá na certeza de que você me ofereceu bem mais do que muita gente...

AIKO ( 03/02/1998 -  29/11/2008)

17 comentários:

  1. Tânia,
    Perdi meu cachorrinho hoje, ele iria completar 2 meses de vida dia 06, ele passou apenas 22 dias com a minha família, mas nos proporcionou muitas alegrias. Imagino a dor que sente, o Kandinsky ficou pouquissimo tempo comigo e a dor é imens. Aiko foi seu companheiros de muitos anos e com certeza não foi apenas um cão!

    ♪ßußα♪ ßrUnα ßArbozα ♫

    ResponderExcluir
  2. Vejo que todos tem o direito de expressar os seus sentimentos mais profundo.
    É isso que tem fortalecido nossa amizade, sem preconceito, vergonha,real ou inrreal, sonhos ou ilusões, cada uma de nos sabe respeitar, escutar, aconselhar, certo ou errado, damos nossas opiniões, e acreditando que desejamos o melhor a cada uma de nós.
    Em nossa amizade, não conta posição social, familia, interesses, apenas ela existe e é verdadeira, simples, alegre, triste,magoada, brava, sofrendo, feliz, contente, não importa, estamos sempre uma do lado da outra, apenas estamos!!!
    MInha amiga, nesse momento estou ai
    com você, respeitando seu sentimento e sofrimento, não de um cão que se foi, mas o grande amigo que ele significou.
    sinto sua tristeza e sua dor e a respito.
    beijos... que você se recupere e fortaleça rapidamente.

    ResponderExcluir
  3. Temos uma cadela da mesma raça do Aiko ela é doce e muito carinhosa. Portanto, sei o que você está sentindo com á perda de seu amigo tão querido. Os animais tem uma percepção muito especial em relação aos donos.Aiko deve estar em um lugar no mundo dos espiritos animais.
    Um abraço minha linda. Fica com Deus.

    Eudes.

    ResponderExcluir
  4. Bem, claro que acompanhei de perto todo o seu sofrimento e juntas, mais uma vez, enfrentamos o momento doloroso da separação. Mas tenho certeza de que você irá se supreender com as pessoas. Muita gente, mas muita gente mesmo, sabe muito bem o valor da amizade de um cão, que de simples não tem nada!E o Aiko, como a gente sempre costuma dizer, era um cachorro-pessoa!kkkk

    ResponderExcluir
  5. Tania, lindo seu texto e o amor que dedicou ao seu amigo. Não tenha nenhuma dúvida de que esse encontro não foi por acaso e o Aiko lhe foi enviado com o propósito de lhe tornar uma pessoa mais feliz. Foi um presente que Deus lhe mandou e você fez por merecer. Bj!

    "A inteligência é assim o ponto de encontro entre a alma dos animais e a alma dos homens." (Allan Kardec)

    ResponderExcluir
  6. Puxa minha querida amiga...você me fez chorar!Chorei por ele e por lembrar da minha Larinha, que se foi há pouco tempo.
    Muito comovente suas palavras.Com certeza o Aiko não foi apenas um cão!Todos que convivem com esses seres maravilhosos entendem sua dor.

    ResponderExcluir
  7. Entendo e partilho de sua dor, Tânia. Já passei por isso também e acho que a perda de um animal de estimação deveria ser vista com mais seriedade pelas pessoas.
    Segundo o psicólogo americano Larry Lachman, a morte de um animal traz efeitos semelhantes à perda de um ente querido. O Dr. Lachman diz que a morte de um animal de estimação é uma perda verdadeira e a dor deve ser respeitada. "As pessoas sofrem proporcionalmente ao que amaram o animal. Perdas muito grandes podem demorar de seis meses a quatro anos para serem superadas", diz Lachman.
    Com o tempo essa sensação ruim vai passar.

    ResponderExcluir
  8. Oi tia! Achei uma ótima idéia escrever sobre Aiko, pois também discordo que ele era apenas um cão, pois a partir do momento que passou a viver contigo, sempre presente em sua vida, já não era mais um cão, e sim um membro da família, né!

    Sei o quanto seus cachorrinhos significam pra você, e venho aqui demonstrar meus tristes sentimentos por esta perda, e dizer que apesar de nada poder substituí-lo, um novo cãozinho poderia alegrá-la nesta fase triste e difícil, não te deixando solitária, e te ajudando a superar melhor, pense nisto, pode ser bom!

    Beijão tia ;* fique bem, viu?

    ResponderExcluir
  9. Cara Tânia,

    Tomei conhecimento de seu blog casualmente, ao realizar uma pesquisa na Internet. Qual não foi minha surpresa ao me deparar com um texto tão bem elaborado e sensível.

    Também sou jornalista e estou engajada há muitos anos nas causas em defesa de animais, particularmente em trabalhos voltados para a interação homem-animal.

    Cresci com cachorros e, por conta das minhas inúmeras viagens pelo mundo, tenho apenas dois gatos que são um grande conforto para mim quando estou em casa - são como uma família. O animal de companhia não é "a" cura para todos os problemas, mas eles certamente terão um papel cada vez mais significativo em nossas vidas.

    Lamento por sua recente perda e a parabenizo pela clara compreensão da parceria que deve se estabelecer entre o homem e seu animal de estimação.

    Caso haja interesse em conhecer e participar do trabalho que realizamos, lhe indico nosso site: http://animalivre.uol.com.br/home/.

    Um grande abraço,

    Leila Soares

    ResponderExcluir
  10. Pessoal...

    Agradeço por esse imenso carinho e cuidado comigo.

    Buba: que bom vê-la por aqui. Pena que seja nessas circunstâncias, sinceramente espero que também supere a perda do pequeno Kandinsky. Com um nome desses, só podia ser muito especial o danadinho.

    Valéria: nem preciso dizer que tudo é recíproco, né? Uma amizade de tanto tempo fala por nós. Que bom poder contar com você. E sabe que pode contar comigo também, né? Pro que der e vier, SEMPRE!

    Eudes: que belas palavras, obrigada! Também acredito que há um lugarzinho muito especial reservado pros nossos animais que se vão. Um amor tão puro quanto o deles só pode ser recompensado por Deus.

    Lola, minha mana: o que dizer pra você? É isso mesmo, sempre juntas, em todas as horas, sofrendo o mesmo sofrimento, rindo com as mesmas alegrias, sempre, sempre, sempre... Sem dúvida Aiko foi muito "gente boa"!

    Helena: especialíssima essa citação de Allan Kardec. É exatamente a falta de inteligência que torna alguns seres humanos tão insensíveis em relação aos animais. Se soubessem o tanto que podemos aprender com eles!...

    Yarucha: amiga querida, sinto por tê-la feito chorar, mas suas lágrimas só comprovam o tanto que me entende. Isso dói, né? Dói demais... O bom é saber que nossos sentimentos são exatamente proporcionais à alegria que Aiko e Larinha trouxeram pras nossas vidas. Fomos muito privilegiadas por tê-los conosco.

    Cris: É verdade, poucos podem entender que essa é uma perda muito semelhante à perda de uma pessoa. Mas espero superar rapidamente. Esquecer será impossível, mas prefiro permanecer apenas com as boas lembranças e uma saudade gostosa.

    Gi: que bom vê-la por aqui também nesse momento. Sempre por perto, que bom! Sabe, já tenho outros cães, que também adoro. Mas cães, assim como pessoas, são únicos e insubstituíveis, por isso a gente sofre demais com a perda. Com certeza a Suki, que é filhinha do Aiko, agora em companhia da Nina, sua irmãzinha, ainda me proporcionarão muitas alegrias.

    Leila, felizmente o acaso a trouxe até aqui. Que bom receber seu comentário e apoio nesse momento. Vou olhar atentamente o site que indicou e procurarei entrar em contato pra falar a respeito, tá?

    Não tenho nem palavras pra agradecer a todas... Valeu, valeu mesmo!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Minha linda, estou aqui, solidário contigo. Se não viajasse tanto tbém teria cães, são excelentes companheiros. Bj!

    ResponderExcluir
  12. Tânia, fiquei comovida, com sua historia sobre a AIKO, não contive as lágrimas, suas palavras tão verdadeira e tão cheias de emoção e gratidião me comoveram. Qdo falamos com nosso coração agente consegue transmitir esse sentimento para as pessoas, por isso é fundamental, sermos autenticas, falar qdo nosso coração pede, dá o beijo qdo sentimos vontade, fazer o elogio no momento que vem o sentimento, dá as flores para sentir o sorriso e a alegria de quem as recebe. Adoro gente que tem coração,. humildade e sabe entender os outros, não pquer os outros lhes pedem, mais porquer a VIDA assim os ensinou....Tenho certeza que a AIKO foi muito feliz ao seu lado.

    HIRANY!

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Não são cachorros. São parte da gente ...
    Uivarei a noite com meu peludo em homenagem a ele.

    ResponderExcluir
  15. Verdade, Rudriguinhu, eles entram pra nossa história. Uive mesmo e muito, que o Aiko merece. Ai, ai, ai... Muita saudade dele!

    ResponderExcluir
  16. Me lembro dele, prima. Também perdi o meu da mesma forma. Doi para sempre e com esse filme as memórias voltam a tona. Chorei tb e muito. Consegui acessar seu blog aqui pelo Aiko!!!!!! Bjão! Cássia

    ResponderExcluir