quarta-feira, 7 de julho de 2010

No meu peito (sem siliconão) também bate um coração


Depois de receber alguns comentários em off sobre a postagem anterior, achei importante reforçar alguns pontos.

Como toda mulher - acho que até mesmo como qualquer pessoa - também já alimentei muitas ilusões no decorrer da vida. Aliás, surpreendentemente, reparei que a maturidade não me trouxe toda aquela esperteza que eu gostaria de ter. Pelo contrário, vejo que hoje as decepções me doem muito mais do que antes. E não falo apenas de envolvimento romântico. Isso engloba todos aqueles que me cercam: familiares, amigos e, até mesmo, pessoas com as quais me relaciono apenas virtualmente.

Não interessa da parte de quem, quando e como vem a decepção, é lógico que ela magoa profundamente. Então, é evidente que não sou insensível a isso, inclusive pelas razões que exponho acima.

Compreendo que ninguém é doido de entrar num relacionamento com a intenção de sofrer. Até porque, em muitos casos, a pessoa nem estava procurando por coisa alguma, mas, de repente, se encanta diante de uma situação inusitada. Do nada surge alguém que supre carências que ela nem imaginava ter e a faz se sentir radiante. Oras, quem não gosta de voltar a sentir aquele friozinho na barriga? A paixão renova a alma, sem dúvida.

Por isso, também entendo que o sofrimento por uma ausência, pela indiferença ou pela manipulação que se sofre quando as coisas não caminham de acordo com o esperado é bem real e, por vezes, insuportável. Só quem passa por isso sabe como é. Aquilo que inicialmente era um relacionamento divertido, com as dificuldades que vão surgindo facilmente se transforma numa obsessão. A coisa fica patológica mesmo. A pessoa que está sofrendo não se reconhece mais, porque se depara com os piores instintos que guardava bem lá no fundinho da alma. Passa a sentir ciúme, raiva, inveja, tristeza, tudo misturado, descontrolado e muito inconveniente. Deixa de produzir e de se cuidar. É movida apenas por uma sensação louca e extremamente negativa, que a impede de pensar em qualquer outra coisa e, assim, prosseguir normalmente.

Puxa, claro que consigo dimensionar tudo isso!... Mas entender está bem longe de aceitar. Considero fundamental que as pessoas aprendam a se cuidar direito. Quando você vai mexer com fogo não se previne? Quando atravessa a rua não olha para os dois lados, como a mamãe ensinou? Quando usa produtos químicos não coloca luvas? Quando fica doente não toma remédio? Então por que esse descaso com o próprio coração? É claro que ele também necessita de proteção e de tratamento quando se machuca. Portanto, aprenda a decifrar os sinais de que está no meio de uma roubada e defenda-se, cacete!

Disse e repito: quando a outra pessoa te maltrata pela primeira vez, a culpa é dela. Mas se continuar te maltratando, A CULPA É SUA. Simplesmente porque você aceita e não reage. Porque não cuida de si mesma. Porque não permite que a ficha caia de uma vez. Porque insiste em alimentar o monstro que a aterroriza, ao invés de acabar com ele.

Sei que não é fácil. Sei que dói bastante. Quem conhece bem minha história sabe que falo sobre isso com muita propriedade. Já estive no fundo do poço também. E só consegui sair dele quando me dei conta de que olhares poéticos acerca da dor funcionam bem nos romances, mas na prática não resolvem absolutamente nada.

Enquanto você chora, com ou sem razão, o mundo continua a girar. O tempo passa do mesmo jeito e a única coisa que você ganha com isso são cabelos brancos e rugas. Então, se sacuda, caramba! Diga não às drogas! Porque amor não correspondido, que faz sua vida parar, é exatamente como outro vício qualquer e deve ser encarado como tal. Só se livra disso quem realmente quer e está disposto a se submeter a um tratamento radical.

Entenda de uma vez por todas que amor não precisa rimar com dor coisa nenhuma. Que uma companhia boa pra valer é aquela que te faz crescer, te bota pra frente. Perceba que quem se importa de verdade com você pode até ter variações de humor, mas nunca de caráter. Jamais será indiferente ao vê-la se transformar num farrapo humano.

A gente sempre tem exatamente aquilo que merece e ninguém me convence do contrário. Há pessoas que sabem ser glamurosas sob qualquer circunstância e aproveitam o melhor que a vida pode lhes oferecer (por glamour entenda-se tudo o que é positivo, especialmente presença de espírito). E há outras que nasceram pra arrastar chinelinhos, recolhendo migalhas e chorando pelos cantos. Azar o delas. Pronto, falei.

"Há homens que têm patroa.
Há homens que têm mulher.
E há mulheres que escolhem o que querem ser."
(Martha Medeiros)

24 comentários:

  1. Maravilhoso seu post. Venho levantando essa bandeira que amor não rima com dor,que ele liberta e não aprisona...Acredito nisso,o amor te liberta pra que seja voc~e mesmo e não um personagem para aguentar tudo do outro. Isso é insegurança e auto estima muito baixa. Só a maturidade nos tras essa escolha de não dar o poder ao outro de nos magoar e judiar.Infelizmente todas passamos por isso,mas,é para crescermos e não nos rastejarmos. É claro que o realcionamento sinaliza que as coisas não vão bem,que o outro não está mais a fim...A gente que não quer ver.Concordo com tudo que escreveu e acredito sim que podemos escolher pra quem dar nosso amor e até quando. No mais é curar mesmo,sentir o luto pra sair dele e nos valorizar com a riqueza do que aprendemos. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi linda...sumi um pouco...mas sempre as coisas acontecem quando tem que ser, hoje o seu post caiu como uma luva para minha situãção amorosa atual. Concordo cos suas palavras, também elvanto esta bandeira. So que infelizmente na prática o negocio é bem diferente, seria mais o caso para "faça oque falo, mas não faça o que faço". Na pratica cada vida é um mundo diferente e todas as atitudes tomadas interfere a todos. Sim, seria mais fácil parar de sofrer e bola para frente, mas se essa bola para frente pudesse te trazer mais sofrimento alem da dor que ja esta embutida dakela pessoa que vou ter deixar, dakele "amor" que eu desejava?. Comigo é assim, sofro quase todos os dias por um "calhorda" que se ama excessivamente, alias nem posso reclamar, porque ele é bom pai, ate ajuda em casa, não me bate...mas ele se ama..e eu não existo para ele, quando ele quer fazer alguma coisa por si e fingir que eu não preciso de mais nada. Como você disse eu acabo vivendo de migalhas... Mas na minha situação, ele é meu unico amigo (quando não é egoísta), se eu me separar dele definitivo, meus pais vão me obrigar a morar com eles, pois sozinha não dou conta de me manter. E morando com meus pais, regras e mais regras, e ter minha mãe qurendo ser dona do meu filho e não poder fazer nada, por depender dela..entende? Sozinha e sem amigos, e morando com meus pais (concervadores) nunca vou poder me relacionar de novo (sabe aquela história: mãe não tem vida, tem filho?) sria isso. Sem amigos, sem amor, sem filho, e sem liberdade, sem minha propria comida, sem poder assitir um filme no horario das novelas..ou simplesmente silencio o dia todo...? Melhor "ter" tudo isso ou simplesmente chorar todos os dias no meu canto por alguem que nunca vai pensar em gostar de mim? Conflitante!
    Mas ainda continuo levantando a bandeira do Mulher se ame, e se dê valor...porque acredito que nem todas tem essas alternativas e ainda podem ser felizes...bjo

    ResponderExcluir
  3. Dignidade pura ... só mulheres autênticas como Tânia Meneghelli são capazes de se assumirem desta forma ... uma pena que isto não seja o fenótipo da maioria delas ... fazer o que né?

    simples assim

    parabéns

    ;-)

    ResponderExcluir
  4. Paulo tem razão. Simplicidade e autenticidade a tornam uma pessoa que se destaca, isso é que é ser glamurosa. Excelente post, concordo com tudo e assino embaixo. Bj!

    “No caráter, na conduta, no estilo, em todas as coisas, a simplicidade é a suprema virtude”.
    Henry Wadsworth Longfellow

    ResponderExcluir
  5. Que delícia ler um texto carregado de sentimentos e emoção como este seu, Tania. Parabéns, você sabe escrever com o coração.

    ResponderExcluir
  6. A impressão que se tem quando se perde um grande amor é que estamos mergulhados em um profundo vazio. Nos sentimos ridículos, como se só os fracos passassem por isso. Seu texto veio ao encontro de tudo que sinto. Apesar da dor que tenho agora, sei que não estou só, que como eu existem milhões de pessoas sofrendo a mesma dor. Espero em breve secar minhas lágrimas e seguir em frente, sempre com a esperança de ser feliz e amar de novo.

    ResponderExcluir
  7. É difícil, às vezes, pra gente falar racionalmente sobre temas assim. E vc fala com razão e emoção, uma mescla saudável de objetividade e subjetividade. Eu diria que é dos seus melhores textos, dos mais tocantes. Não é para qualquer um... Parabéns, moça!

    ResponderExcluir
  8. certissima, esse negocio de sofrer muito tempo na mão dos outros é culpa de quem está sofrendo, existem casais em que a mulher até apanha e faz por merecer que ninguem a ajude. Porque basta todos esqueverem que o casal volta á paixão.

    ResponderExcluir
  9. Poxa... Parece que está escrito neste texto tudo que eu gostaria de escrever, de desabafar sobre o quanto dói amar e ser "obrigado" a, de repente, "deixar" de amar. É como se eu lesse algo que um dia eu tentei escrever, mas não consegui. Sensibilidade apaixonante.

    ResponderExcluir
  10. Ôxi. Parece até que tá brava. Por causa de quê? Cada um é de um DNA, benhê. Você tá falando de você ali no post. O outro tá lááááá onde tem que estar. Vc pode entender o outro intelectualmente, pode ser solidária e eu sei que é , mas não sente como o outro não, então o que se passa com você pode ou não servir. E quem disse que o outro não precisa ir ao limite dele pra que ocorra transformação? E que o cabra ainda não resolveu o que tem que resolver? Calma aí.Calcanhar de aquiles é diferente prá cada um. E não, a pessoa não tá conseguindo mudar. Dá prá aceitar isso? O que vc pode fazer é escolher ouvir ou não os choramingos. Fora isso... Eu já parei de fumar, fiz ioga 8 anos e não consigo emagrecer. O que prá você é se sacudir-movimento-alcançar objetivo , prá mim é me aceitar desse jeito mesmo. Relaxar e não querer nada. Beeem zen. Isso prá mim é o paraíso. Mesmo com a genética similar , tipo irmãos, a captação, assimilação e processamento do mundo físico e emocional é bem diferente. Há os fortes e os fracos. É da na-tu-re-za. De qualquer forma talvez as coisas mudem, talvez não. Essa é a pura verdade.

    ResponderExcluir
  11. Voltei pois me ocorreu que talvez vc esteja mesmo brava porque queria que a pessoa estivesse bem. Pronto. Tá provado que vc tem um coração. hahaha Dããnn prá mim.

    ResponderExcluir
  12. Não consigo entender como determinadas pessoas se anulam em função de um relacionamento. Nada justifica ser maltratado e continuar na relação, pessoas que agem assim precisam de tratamento, pois para mim são doentes.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Vou te confessar uma coisa. Adoro livros. Adoro ler. E sou daquele raro tipo de pessoas que não temem em comprar um livro pela grossura. Mas em relação a blogs é diferente. E o teu é um dos raros que postam bastante texto que não canso de ler. Leio de cabo a rabo e quero mais. Sabe por quê? Porque você é ótima!

    E viva a liberdade e o bom senso de todOS e todAS!

    ResponderExcluir
  14. Oi Tânia!

    UAU!! Concordo plenamente!
    Tenho uma tia que adoro e ela sempre diz: "Ao acordar repita várias vezes: Eu me amo, eu me amo..." *rsrs* É isso aí!

    "Perceba que quem se importa de verdade com você pode até ter variações de humor, mas nunca de caráter."

    Perfeito!! Tocou no ponto: O caráter.

    Beijos :]

    ResponderExcluir
  15. Tenho raiva de você !!!
    Muita, a sequência de post´s seus correspondem a um grande pedaço de mim. E como pedaço, parece que você fatiou meu corpo...

    De qualquer forma, saiba que as palavras que leio são aprendizados.

    Fico feliz por você ser paleolítica, e por mais que se ache frágil, você é exemplo. Portanto, força nessas pernas.

    E que injusto seria se descuidar... a força que eu solicitei a você não pode ficar só nas pernas não... coloque-as em todos os músculos inclusive esse ingrato coração que todos temos...

    Pronto, pertubei e re-coloco a leitura em dia.... Eu tardo, mas compenso, e você...?

    DOIS ENORMES BEIJOS NOS SEUS PÉS !

    ResponderExcluir
  16. comunicadoraspt@hotmail.com9 de julho de 2010 09:32

    Sabe uma coisa, amiga, dava uma boa psicóloga!!! Um bpom fim de semana e muitos beijinhos
    Emília

    ResponderExcluir
  17. Oi Tânia!!! Parabéns pela leveza e alegria de sua escrita. Tenho lido suas postagens e tem sido muito bom navegar na autencidade de cada tema seu. Estarei sempre por aqui pra desfrutar um pouco deste necta, produto de uma mulher muito especial, que aprendeu voar com os pés no chão. Bjos

    ResponderExcluir
  18. Oi Tânia!!! Parabéns pela leveza e alegria de sua escrita. Tenho lido suas postagens e tem sido muito bom navegar na autencidade de cada tema seu. Estarei sempre por aqui pra desfrutar um pouco deste necta, produto de uma mulher muito especial, que aprendeu voar com os pés no chão. Bjos

    ResponderExcluir
  19. Tem toda razão. Concordo em gênero, número e grau.

    ResponderExcluir
  20. Olá Tânia...

    Você é sensivelmente inteligente...
    A sociedade precisa de pessoa assim...

    Beijinhos...

    Nirma Regina

    ResponderExcluir
  21. Eu sempre digo que chorar não serve pra nada.

    Eu sou super a favor de que todas as pessoas do mundo deveriam fazer um curso intensivo de auto-conhecimento. Saber como você mesmo opera ajuda muito na administração da relação com o outro.

    Relações saudáveis sempre. Sofre quem quer...

    Um beijo Tânia!

    ResponderExcluir
  22. Olá pessoal!

    A correria enorme dos últimos dias impediu de me manifestar prontamente sobre estes comentários, mas vamos lá...

    Como sempre, agradeço demais a todos pela participação. O que seria do blog sem estes comentários?

    Mas agora quero me dirigir a uma leitora em especial, a Fernanda.

    Como deixei claro, minha postagem foi baseada em minhas próprias experiências e nas de pessoas que convivem comigo. Assim, me sinto confortável em dizer "FAÇA O QUE EU FALO (SE QUISER, LÓGICO) E FAÇA O QUE EU FIZ".

    Compreendo que cada pessoa é única e, portanto, sente do seu jeito e tem reações muito peculiares diante das dificuldades que surgem.

    Em nenhum momento afirmo que seja possível simplesmente parar de sofrer quando se quer. Se fosse assim, que beleza! Mas é óbvio que exige uma batalha dura. Quem disse que a vida é moleza?

    O que digo, repito e insisto, é que esse quadro só se modifica quando e SE a gente quiser.

    Fiquei impressionada ao vê-la dizendo que "sofre todos os dias por um calhorda", que é egoísta, mas ATÉ ajuda em casa, NEM TE BATE, mesmo assim "te ama" e você não existiria sem ele!!!

    Fernanda, sua vida é o reflexo das suas escolhas, não tenha a menor dúvida disso. E você SEMPRE será tratada do jeito que você mesma se trata: ou empina esse nariz de vez e luta por sua satisfação pessoal, EXIGINDO RESPEITO DE TODO MUNDO, ou continua assim, sendo tratada como uma pessoa incapaz de se realizar sozinha.

    Entenda que você somente será amada em toda a plenitude quando aprender a se amar também. Essa é uma consequência natural das suas próprias atitudes.

    Ninguém JAMAIS deve se contentar com menos do que merece, viu?

    Fique bem, querida. Torço pra que você encontre a saída. Ela existe sim, basta que você preste atenção.

    BEIJOCAS PRA TODOS!

    ResponderExcluir