domingo, 29 de maio de 2011

Ser gay não é opção


Ontem ouvi uma conversa entre homens indignados com a distribuição do tal KIT GAY (três vídeos sobre transexualidade, bissexualidade e meninas lésbicas) nas escolas. Entre as diversas manifestações de contrariedade, destaco essas:

"O governo quer nos enfiar (upa!), goela abaixo, que ser gay é bonito."

"Agora vou ter que falar pros meus filhos que ser gay é normal?!"

"Não tenho nada contra os gays. Tenho até amigos cabelereiros, que são gays e são bacanas, gente boa. Mas só falta o governo inventar a cota gay!"

Também não concordo com a suposta divulgação do tal kit. Não porque me afronte moralmente ou porque de fato considere que há situações graves, que exigem investimentos e respostas mais imediatas do governo. Só acho que a questão é muito complexa, requer uma reestruturação total de pensamento por parte da sociedade, enraizada até o talo pelo preconceito. E não serão alguns vídeos, manuais ou papinhos informais que mudarão esse cenário. Penso que há um longo caminho a ser percorrido até que as pessoas assimilem essa realidade, que ao contrário do que muitos acreditam, não é nova, e existe desde que o mundo é mundo. 

Mas, se opor radicalmente a qualquer iniciativa no sentido de diminuir a intolerância a essa situação, não empreendendo um mínimo esforço de compreensão plena sobre o assunto, é inaceitável.

Preconceito significa julgamento preconcebido, ignorância (figurativamente um "não saber"; na minha opinião, ser burro mesmo). É fazer como o escritor Oswald de Andrade, ao afirmar "não vi e não gostei" sobre a obra do artista plástico Ismael Nery. 

Exterminar essa visão radical torna-se ainda mais complicado, quando se leva em conta comportamentos hipócritas. De gente que enche a boca para dizer que não tem preconceito algum em relação aos gays, afinal, trata-se de uma OPÇÃO sexual. Esses são os que mais me irritam.

Compreender DE VERDADE a homossexualidade não é tão difícil quanto parece, basta abrir a mente para os fatos. Ninguém em sã consciência escolhe viver de maneira diferente, porque evidentemente é muito mais fácil se enquadrar aos padrões, dá menos trabalho e evita aborrecimentos. Já falei sobre isso AQUI. É óbvio que ser homossexual não é uma opção. Muito menos safadeza, como apregoam críticos simplórios.

Ser homossexual é ser loiro, ruivo ou moreno; é ser alto, baixo, feio ou bonito; é ser gordo ou magro, ter olhos castanhos ou azuis... É ser como a água que molha, o fogo que queima... Como um girassol amarelo, um caqui cor de caqui. É nascer assim, como a natureza determinou que haveria de ser. E não há palavra, cara feia ou bateção de pé que mude isso.

Ser homossexual É SER O QUE SE É, e pronto. É SER COMO EU E COMO VOCÊ. 

Simples assim.


Ilustração da postagem: "Amantes" (ISMAEL NERY, 1924)

17 comentários:

  1. Ótimo texto Tânia! Convivo com gays assumidos a muitos anos, homens e mulheres e, pra falar a verdade, não vejo uma razão ( não enxergo mesmo) para pensar a respeito.. eles são tão 'normais' como qualquer um como vc já falou e tem um detalhe, são gente lutadora, com força de vontade, felizes e sempre prontos para ajudar essa amiga aqui ( eu) . Maravilhosos todos e todas, adoro!!

    ResponderExcluir
  2. CONCORDO EM GÊNERO, NÚMERO E GRAU. nada a acrescentar, só resta aplaudir.

    ResponderExcluir
  3. Igual a mim gay não é não.. tenho uma coisa aqui q prova a diferença quer ver?

    ResponderExcluir
  4. Carlos Meneghelli30 de maio de 2011 11:00

    Sou heterossexual e isso não faz de mim senhor absoluto do universo. É possível entender que mesmo tendo orientação sexual diversa da minha, o homossexual compartilha das mesmas necessidades de justiça, respeito e acolhimento. Infelizmente, ao invés disso, na falsa tentativa de proteger suas crianças, injetam nelas o veneno da homofobia e se calam ante ao espetáculo que a sociedade toda ajudou a construir.
    Sua clareza de ideias é explêndida.
    Um abraço,

    Carlos Meneghelli

    ResponderExcluir
  5. O mundo precisa de tolerância e pronto. E saber que levantar bandeiras não quer dizer defender seitas e propagar em causa própria.
    É interessante observar que a mídia lhes rouba bandeiras para caricaturar personagens.Bichas, engraçadas, safas,loucas e volúveis em doses tênuas de merchandising. Vender essa imagem como remédio para a homofobia é um erro.

    É isso
    Vamos pensar.
    inté

    ResponderExcluir
  6. Não tenho nada contra gays = tenho tudo contra gays.

    Nunca vi ninguém começar essa frase sem soltar uma barbárie logo depois. Perceba só.

    Beijo Tânia!

    ResponderExcluir
  7. CINTIA: também convivo com diversos honossexuais e garanto, são pessoas absolutamente normais. Estudam, trabalham e, principalmente, pagam impostos como todo mundo. Eu também não consigo ver onde é que está o problema, sinceramente. Sem contar que eles são muito engraçados, têm umas tiradas geniais. Excelentes amigos, é só o que me resta dizer.

    MUNDINHO: Obrigada!

    LILIANA: Valeu também!

    ZECA: jura mesmo que mostra? Tô doida pra ver a coisa e o dono da coisa bem de pertinho. Peraí que vou lá catar meu binóculo. *EXEMPLO DE PESSOA IGNORANTE, NO SENTIDO MAIS PEJORATIVO DA PALAVRA.

    WANDERLEY: Obrigada, querido!

    CARLOS: um Meneghelli no meu blog, que bom! E que comentário pertinente, obrigada!

    DIU: está cobertíssima de razão. Aliás, essa é uma prerrogativa que a mídia usa também em relação às mulheres, já reparou? Isso é o que tem que mudar pra valer, porque influencia bastante a opinião pública. Sou otimista, acho que ainda vou ver essa mudança.

    BEIJOCA PRA (quase) TODOS!

    ResponderExcluir
  8. Lobinho, você chegou aqui junto comigo, eba!

    Então, é bem por aí mesmo. Quem inicia o discurso bonito dizendo que nada tem contra gay, contra negro, contra mulher, contra deficiente e por aí vai, já começa muito mal. É a indicação mais evidente do preconceito camuflado. Tem toda razão.

    Beijoca!

    ResponderExcluir
  9. O ser humano está sempre querendo estabelecer regras de convivio, pensamento etc, apontando o certo e o errado. Acho que, pelo simples fato de se ter criado leis onde se punem as agressões já deveria ser suficiente. Acho que quanto mais se levantam bandeiras em favor ou contra a comportamentos, mais se acirram ataques e defesas de ambas as partes. Penso que deveriamos caminhar pelo modo mais simples: agrediu? tome pena! e pronto!

    ResponderExcluir
  10. Oi Paulo! Que bom te ver aqui!

    Concordo totalmente. Na outra postagem que falei a respeito desse assunto (link neste último post) cito exatamente isso. Acho que além de reforçar o preconceito, levantar esse tipo de bandeira deveria ser desnecessário. A homossexualidade é uma realidade inquestionável, indiscutível e imutável.

    Beijoca! Te ver aqui me deixou muito feliz, você não imagina quanto.

    ResponderExcluir
  11. Vou ter que copiar e colar porque é melhor descrição de preconceito de todos os tempos: é do Quiroga:

    "O preconceito é a medida de ignorância de uma civilização, é o enclaustramento mental de onde surge o fanatismo, o sectarismo e toda forma de promover separatividade. Há preconceito fundamentado em supostos livros sagrados, em ideologias políticas, em ideologia materialista e por aí vai a lista, mas em todos os casos não passa da mesma expressão: ignorância do princípio da vida Una em que tudo e todos comungamos. Os aparentemente privilegiados são tão ignorantes quando se referem preconceituosamente aos menos privilegiados quanto o são os que aparentemente nunca tiveram privilégio nenhum ao se referir às classes mais abastadas com idéias fantasiosas. O preconceito sempre será o mesmo, uma forma idiota de ignorância, porque é a pior delas, é a vontade de nada saber a respeito da vida."

    ResponderExcluir
  12. É como dizia o Raul Seixas: "Sou o que sou", ou, como você sempre diz: "Cada um é cada um"! Pronto!!!

    ResponderExcluir
  13. Excelente texto de Quiroga, Rose.

    Concordo. Preconceito é algo que todos têm, em maior ou menor grau, a respeito de uma porção de coisas.

    Não tolerar a intolerância, por mais ululante que possa parecer, é também uma forma de preconceito.

    Há questões, no entanto, que exigem o exercício irremediável da aceitação, e penso que a homossexualidade é uma delas. Porque trata-se de um fato concreto, para o qual não adianta mais fechar os olhos, nem torcer o nariz. Não cabe mais discussão sobre isso. Como tão bem colocou o leitor Carlos Meneghelli, homossexuais, como todo mundo, necessitam de justiça, respeito e acolhimento.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  14. Isso, Lola. Muito bem lembrado: CADA UM É CADA UM. Ninguém tem nada com isso, pronto e acabou.

    ResponderExcluir
  15. Geeeeente, o Jean Wyllys é tão bom, tão claro, tão inteligente, tão direto, tão leve, tão gentil que nem parece....deputado!
    assitam: Esse é da Gabi no GNT: https://www.youtube.com/watch?v=IwTk-QZPJ_c&feature=player_embedded

    ResponderExcluir