domingo, 29 de junho de 2008

Ser quarentona é ser feliz!

Semanalmente me reúno com amigas com as quais convivo desde a infância. Entre muitas risadas com as experiências vividas, sempre prevalece uma dúvida: por que será que os homens mais jovens têm sido atraídos com freqüência cada vez maior pelas mulheres mais maduras? Para entender isso um pouco melhor, passei a prestar mais atenção em mim mesma e nas mulheres da minha geração.
Confesso que minha passagem para a turma dos "enta" não foi tranqüila. Fiquei assustada com a possibilidade de ter mais de 40 anos e perder a beleza, a energia, a vontade de viver. Era como se estivesse embarcando numa viagem que a partir dali seria sem graça, com poucas perspectivas. Mas que deliciosa surpresa me aguardava! Percebi que aos 40, a mulher apenas começa a viver.
"Aos 40 a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo e com sua mente. Está mais interessada em absorver do mundo o que lhe parece justo e útil. Quer é ser feliz, sem grandes neuras. Se o parceiro não gostar do jeito que ela é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça."
Nesta idade, a mulher de hoje é bem diferente da de antigamente. Em gerações passadas fazer 40 anos era como uma despedida da vida adulta e entrada na terceira idade. As mulheres se casavam praticamente adolescentes, tinham filhos antes dos 20 e passavam os 30 os educando. Aos 40 estavam virando vovós...mas avós daquele tempo, que viviam de aventalzinho. Se você pegar uma foto da sua avó ou mãe aos 40 anos entenderá esta tese. Repare como elas se vestiam e se comportavam! As que antes eram “matronas”, praticamente sem novas perspectivas de vida, agora são bem cuidadas, modernas, inteligentes, empreendedoras, gostam de se cuidar. Perseguem seus sonhos e objetivos com vontade e determinação.
Veja como é assim mesmo: compare a mesma mulher aos 20 e aos 40 anos. No segundo momento ele será infinitamente mais interessante, sedutora e irresistível que no primeiro. Ela perde o frescor juvenil, é verdade. Mas também o ar inseguro de quem ainda não sabe direito o que quer da vida, de si mesma e dos outros, especialmente de um homem.
Não sustenta mais aquele ar ingênuo, uma característica sexy da mulher de 20, mas é compensada por outros atributos encantadores de que se reveste a mulher de 40. Como se conhece melhor, é muito mais autêntica, centrada e segura. Aos 40 a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo e com sua mente. Está mais interessada em absorver do mundo o que lhe parece justo e útil. Quer é ser feliz, sem grandes neuras. Se o parceiro não gostar do jeito que ela é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça.
Aos 40 a mulher tem gestos mais delicados e elegantes, aprendeu a ser sensual na medida certa. Carrega um olhar muito mais matador quando interessa matar. E sabe fingir indiferença com ainda mais competência quando interessa repelir. Aprende a ser menos bobinha.
Aos 20 a mulher é escolhida. Aos 40 é ela quem escolhe. No jogo com os homens, já aprendeu a atuar no contra-ataque. Ela sabe dominar seu parceiro sem que ele se sinta dominado. Mostra sua força na hora certa e de modo sutil, porém eficiente. Não para exibir poder, mas para resolver tudo a seu favor antes de chegar o ponto de precisar exibí-lo. Geralmente consegue o que pretende sem confrontos inúteis. Sabiamente goza das prerrogativas da condição feminina sem engolir os sapos supostamente decorrentes do fato de ser mulher.
Além disso tudo, criados os filhos, consolidados - ou acabados - os casamentos, as mulheres de 40 se permitem vôos mais altos, verdadeiras revoadas fora do ninho doméstico. Surgem assim as artistas plásticas, escritoras, amantes... Ou apenas mulheres que se descobriram capazes de pensar, trabalhar, viajar. Questionando-se, questionando a vida e valores. Lançando para dentro de si um novo olhar, sobre si mesmas e sobre o mundo lá fora.
Ter mais de 40 anos é ter mais de 40 motivos para ser feliz. Daqui por diante, o que mais quero é que minhas palavras e atitudes concordem com os desejos e a sinceridade do meu coração. Sem medos ou melindres. Que meu rosto e meu coração sejam hamoniosos, unidos e companheiros. Que toquem a mesma canção e caminhem sempre juntos.

5 comentários:

  1. Esta é uma fase em que a mulher tem a consciência de que é urgente dar o melhor de si em todos os setores de sua vida.

    É a famosa sensação de que não se pode mais perder tempo. Ela sabe disso e pode absorver essa situação de tal forma que começa um enfrentamento com a angústia de realizar sonhos que vinham sendo adiados ou que foram deixados de lado.

    No entanto, se a percepção de última oportunidade gera desconforto e ansiedade, é hora de transformar esses sentimentos em combustíveis para a realização de muitos projetos.

    A beleza de ser mulher, em qualquer faixa etária, está em ser uma pessoa inteira. Se a mulher é feliz, irradia felicidade. A beleza está relacionada à autenticidade, às paixões e às preferências de cada uma.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo, foi-se o tempo em que uma mulher de quarenta era considerada velha e dependente. As quarentonas de hoje não são nem a sombra do que eram as mulheres dessa idade há décadas atrás. Parabéns pelo texto sensível, Tania. Bj!

    ResponderExcluir
  3. Lilian Guimarães2 de julho de 2008 13:16

    Adorei este post, Tânia. É mais uma prova de que as mulheres com mais de 40 anos estão ativas como nunca e contribuindo com um intelecto invejável, cada vez mais aprimorado pelo tempo.

    ResponderExcluir
  4. Ter mais de 40 anos é ter mais de 40 motivos para ser feliz. Daqui por diante, o que mais quero é que minhas palavras e atitudes concordem com os desejos e a sinceridade do meu coração. Sem medos ou melindres. Que meu rosto e meu coração sejam hamoniosos, unidos e companheiros. Que toquem a mesma canção e caminhem sempre juntos. Tânia.
    Adorei este post. Faço minhas as suas palavras...verdade puras vc falou, não tenho nada para acrescentar apenas agradecer...maravilhoso.

    ResponderExcluir
  5. Ter 40 anos foi muito díficil para aceitar que a idade já chegou que amadureci que um novo ciclo começa,mas aceitar a conviver com uma nova idade também me fez ver que o que importa é o amor proprio seja com 20,30 ou 40.

    ResponderExcluir