sexta-feira, 8 de junho de 2012

Tô com CÂNCER sim. E daí?




Desde que contei que estou com câncer de mama tenho me deparado com as reações mais diversas possíveis. A mais comum, claro, é a de espanto. Caramba, como essa doença ainda aterroriza! Muita gente até gostaria de ser solidária nesse momento, mas se afasta, simplesmente por não saber o que dizer. Reparei no bom número de visualizações aqui no blog, mas também na descrescente participação com comentários, por exemplo. Há, ainda, aqueles que preferem fechar os olhos, como se assim ficassem imunes ao que qualquer pessoa está suscetível. Lamento informar, mas pra ter câncer basta estar vivo e pronto, qualquer um vira a bola da vez. 

Então, quero falar sobre isso agora, nua e cruamente. Gente, estou com câncer SIM e daí? E falo a palavra (que tanta gente evita), sem o menor receio: CÂNCER, CÂNCER, CÂNCER!!! Não tenho câncer porque guardei mágoa nenhuma, nem porque mereci isso (ninguém merece!) ou por qualquer outra razão que não seja o simples fato de que essa coisa apareceu aqui do nada, está sendo tratada e vai se escafeder logo logo. Simples assim.

Sem nenhuma hipocrisia, nem querendo me fazer de mais forte do que sou de verdade, não fosse pelo tratamento, que é mesmo bem chatinho, eu me sinto absolutamente NORMAL. Tenho feito minhas coisas numa boa, estou tranquila e tenho convicção do bom resultado que vou alcançar. Sinto muito por decepcionar os mais trágicos, mas não vou morrer disso. Agradeço, mas dispenso os tapinhas nas costas, acompanhados das ladainhas: Tenha fé! Pra Deus tudo é possível. Seja forte! Tenho fé sim, acredito que Deus olha (e tem olhado demais) por mim e estou mais forte do que jamais estive na vida. E vou chegar lá, com toda certeza.

É gostoso ter câncer? Óbvio que não. Câncer mata? Às vezes, mata sim (e se não tratar logo, então, mata mesmo). Estou feliz da vida sem cabelos? Evidentemente que não também. Ainda choro, às vezes, por causa disso. Lógico que estranho ao me olhar no espelho, não gosto nada do que vejo. E, cá entre nós, não há mesmo como uma mulher ser maravilhosa estando careca, né não? Mas trato de sacudir a poeira rapidinho e sigo em frente. Simplesmente porque a ponte foi dinamitada, não tem volta, não adianta me contrariar. Acho que só dá pra superar isso sendo muito prática, olhando APENAS pra frente. E enxergando, acima de tudo, os pontos positivos desse sufoco, que existem sim, por mais incrível que possa parecer. 

É gostoso se sentir querida e importante. Tenho recebido muita atenção e carinho, inclusive de pessoas que estavam distantes e se reaproximaram. Os laços afetivos se estreitam muito num momento como esse, sabe?

Agora, acima de tudo, mas de TUDO, de verdade - e sem a menor demagogia - o melhor tem sido meu reencontro comigo mesma. Finalmente me olhei e me vi. Descobri em mim uma pessoa muito mais forte e competente do que imaginava ser (meu tumor já diminuiu um centímetro!), tenho me tratado com muito mais carinho e dedicação. Reparei que se tantas vezes na vida a gente pode ser nosso pior inimigo, se autosabotando sem piedade (como fiz tantas vezes), é possível também se amar pra valer, se cuidar, se querer bem. E é assim que tô agora, totalmente em paz comigo mesma, cheia de planos. Já não tenho a menor dúvida de que saio dessa bem melhor do que estava antes (siliconadérrima, inclusive, u-huuuu!) e me admirando muitíssimo mais. 

Pronto, só faltava essa agora... Virei minha fã número um. Abusaaaaaada!!!

Por isso, quem quiser chegar junto, venha sem medo. Diga o que e como quiser, fale, pergunte, desabafe, xingue, se manisfeste como preferir. E se não quiser dizer nada, também, tá tudo certo. Só não me olhe como se eu fosse um ET fora do prazo de validade, tá? Relax total.

9 comentários:

  1. Taí, no Firefox apareceu o formulário de comentários! Era bug do Chrome mesmo! Talvez até tenham reduzido os comentários por isso, já que o browser popularizou pra caramba!

    Então. Claro que tenho medo de ter câncer. Mas vendo o jeito que você encara, que minha namorada encarou... é difícil pra caramba, nem todo mundo sobrevive (e não é por falta de vontade ou de força) fica mais leve pra mim essa notícia. É chocante, mas eu sinto mais vontade de me aproximar e te fazer rir. Ou ouvir as reclamações sobre queda de cabelo e enjoos... Dar conselhos sobre a vida...
    Ah, tudo na vida é conversar.

    ResponderExcluir
  2. Olha, Marco, muita gente tem reclamado disso. Não tem sido fácil postar os comentários aqui, até desativei as letrinhas de verificação pra facilitar, mas não ajudou muito. Chato isso, né?

    Pois é, quem não tem medo dessa porcaria? Eu também tinha (ainda tenho!), mas o jeito é encarar o bicho exatamente como ele é. E, muito importante, não superestimar a coisa, que é o que todo mundo faz.

    Meu médico disse uma coisa bem pertinente outro dia: todos falam que o câncer mata, mas se esquecem que atualmente o número de pessoas curadas é muito maior do que as que morrem disso. Criou-se um estigma, daí o terror.

    Fica tranquilão mesmo. Comigo não tem mais mais. Venha e diga o que lhe der na telha, que eu topo!

    Adorei que tenha vindo deixar um pouco de você pra mim, viu?

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Dino Gomide Vezzá9 de junho de 2012 10:54

    É isso aí minha ammiga!! Não ter cabelos é muito ruim!! Eu também olho no espelho e não os vejo! mas gosto do que vejo! EU MESMO! Como você daqui a pouco tempo!! Beijocas Dinim!

    ResponderExcluir
  4. Ó só a solidariedade na carequice do querido Dinim !!! bejim Dinim !!! Menéga, adorei isso q vc disse de reencontro com você, olhou e se viu. Acordei assim hoje. Nossa.Vomitei umas coisa bem parecidas lá no tuiter. E, principalmente, esconder nossas fragilidades nos enfraquece. Assumi-las e exibí-las nos torna fortes para ca.ra.le.o.É isso que tá acontecendo com você.beijão !! Usei o chrome e funfou.

    ResponderExcluir
  5. "...Se a gente cresce com os golpes duros da vida, também podemos crescer com os toques suaves na alma..."
    Cora Coralina

    Lembrei dessa frase antes mesmo de terminar o texto. Achei que casava, sem mais nada.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Cassia Dalcolmo lobino16 de junho de 2012 18:59

    Já postei um recado, mas, não apereceu aqui. Portanto, vou repetir. O tratamento é agressivo mesmo, que bom que está conseguindo, que bom já ter resultado! Quem te conhece sabe que é verdadeira. Não mude, pois não será mais vc. Te admiro como é e te gosto desse jeito. E NÃO tome meu lugar não, viu? eu já sou sua fã número um há muito tempo. kakakaka...Bjão!

    ResponderExcluir
  7. Tbem estou c cancer de mama to na terceira branca ... Tratamento igual ao seu... Acho q emocionalmente estou melhor q antes me amando e me curtindo mais ...fico linda c as cabeleira novas .... O trash é o convivio em casa c os meus pais,isso me desestabiliza me afeta muito ....um saco !!

    ResponderExcluir